ENEM - Como Evitar o Bloqueio de Memória (O Branco) na Hora da Prova
           
LOGOTIPO DNEGOCIOS

Como Evitar o "branco" na Prova do Enem




Fazendo a prova do ENEM.

Mariolinda Ribeiro




O ano todo estudando. Quando se senta diante da prova, lê, relê, lê mais uma vez... e agora? Onde foram parar todos aqueles conceitos que você dominou completamente? Sim, porque de tudo que você estudou durante o ano inteirinho, você só se lembra disso: você dominou tudo completamente. Você tem um caderno em casa com todos os problemas resolvidos por você. Essa questão da prova, essa primeira, Você se lembra até da aula, quando o professor explicou e tornou a explicar e você entendeu perfeitamente tudo. Mas tudo o que? Deu um branco!

Deu um branco na prova?

Não se desespere. De acordo com a psicopedagoga Roséli Cabistani, professora de Psicologia da Educação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul o importante nessa hora é não se desesperar. O branco é resultado da ansiedade, do estresse e de todas essas situações de cobrança, pelas quais sua mente está passando, mas é um bloqueio mental passageiro. Às vezes, você vai fazer a prova muito nervoso, muito tenso, com muita informação na cabeça e perde o foco. Se lembra de muita coisa, mas o que você precisa não vem, e você corre o risco de perder sua nota máxima.
            Normalmente acontece quando estamos expostos a um nível elevado de estresse ou de ansiedade que fazem com que as glândulas suprarrenais, assim chamadas porque se localizam logo acima dos rins, liberem o hormônio cortisol, que vai afetar o funcionamento de vários órgãos e funções, inclusive a memória.
            Acontece assim: quando a ansiedade chega a níveis elevados, o cérebro entende que você está em risco. Que sua segurança está ameaçada, e dispara um alerta geral. Isto ele consegue liberando o cortisol com ordem de dar total prioridade a tudo que diz respeito a sua segurança. Atenção redobrada a qualquer movimento à sua volta, a ruídos etc. Como a memória evidentemente é desnecessária para o socorro a essa situação de suposta emergência, é bloqueada pelo cortisol para economizar energia e você não consegue aquilo que você mais precisa: se lembrar do que aprendeu. Esta é uma reação absolutamente normal de nosso corpo diante deste tipo de situação.
            Para reverter tudo isso, a primeira coisa que você tem a fazer é oxigenar o cérebro. Com a boca fechada, inspire e expire profundamente pelo nariz, num ritmo um pouco mais rápido que o normal, sem exagerar. Com muita calma, avance para questões mais fáceis. Depois você volta.
            Lembre-se que você precisa convencer o cérebro que ele se enganou, que você não está correndo risco nenhum e o que você realmente precisa é da sua memória desbloqueada.
            Busque uma condição de calma absoluta. Tenha autoconfiança, afinal você se preparou bem, está seguro e deve encarar a prova de forma positiva, com entusiasmo, lembre-se das oportunidades e benefícios que ela pode trazer. Você não é um daqueles que veio para o ENEM como quem vai para o futebol: chutar. Você se preparou muito bem. Ralou o ano inteiro e não tem porque se preocupar.
            É claro que numa prova classificatória como é a prova do Enem, você fatalmente vai enfrentar questões difíceis que talvez não consiga resolver, mas vai encontrar também muitas outras questões que vai responder com facilidade, portanto:

CALMA! É só um branco na prova do ENEM.

Não encare a prova como uma questão de vida ou morte. É apenas um obstáculo que você vai vencer como tantos outros. Se sair dele com êxito, ótimo, Mas se ainda não for possível, sempre haverá a oportunidade de se dedicar mais até apresentar melhor desempenho.
        Deu branco? Não tente forçar a memória batendo na mesma tecla. Se não consegue lembrar, passe para outra questão. Se você continuar tentando se lembrar, certamente a ansiedade só vai aumentar até o último minuto da prova, portanto, não force nenhuma barra. Só no final, volte para as questões não resolvidas e encare o desafio com tranquilidade.
            Você sabe que estudou e sabe que aprendeu a matéria. Então você não esqueceu. O conteúdo está em seu cérebro, mas temporariamente inacessível. Portanto, sem pânico!
        Se você, em algum momento, já passou por esta experiência, de dar o “branco” numa prova decisiva, ser exposto novamente à mesma situação vai gerar angústia, ansiedade e medo que tudo se repita. Use a experiência a seu favor e procure permanecer tranquilo.
            A vida que você leva tem tudo a ver com o desempenho do seu cérebro e da sua memória. Pratique algum tipo de esporte. Os esportes ajudam a melhorar a concentração e a descarregar energia.
          Procure dormir bem nas semanas que antecedem o exame, especialmente na véspera, nada de virar a noite estudando. Passar a noite em claro na véspera da prova, decorando e revisando as matérias é um erro. Na véspera da prova se alimente bem, faça exercícios físicos, exercícios de relaxamento, exercícios de controle da respiração, e à noite durma. Tudo isso ajuda a manter a concentração e a diminuir a ansiedade.
          A nossa memória funciona como uma rede de informações conectadas entre si. Então, quando você elabora uma parte do conteúdo, ele está ativando uma parte dessa rede em seu cérebro, o que, por sua vez, facilita a ativação de toda a rede e a lembrança do conteúdo completo.
            Use a velha e boa dica: não perca tempo com questões difíceis. Quando não souber a resposta, dê uma circulada e passe para a outra questão. Enquanto estiver fazendo os outros tópicos, uma parte do seu cérebro continua pensando naquele item e fica mais fácil conseguir a resposta.
          Se o nervosismo insistir, vale a pena dar uma pausa. Levantar, beber uma água e lavar o rosto pode ser importante para restabelecer o equilíbrio emocional. Mas atenção: Nenhuma dessas medidas tem efeito nenhum contra o despreparo. Por mais tranquilo e sereno que você estiver, jamais vai se lembrar do que não aprendeu. Tem que estudar e a hora de estudar é antes da prova.

Terapia ajuda?

Ter medo e ansiedade antes de um teste como o Enem é normal, e até ajuda a se preparar melhor. Quando a ansiedade se torna descontrolada, ela mexe com o córtex cerebral, responsável pela atenção, e o hipocampo, que lida com a memória. Com essas duas áreas prejudicadas, aumenta a possibilidade de acontecer o "branco". Só que, quando isso se torna um sofrimento por antecipação, é um problema. Em casos graves, deve-se procurar um psicólogo e fazer uma terapia.
          A educadora Patricia Konder Lins e Silva, autora do livro "Inteligência se aprende", aponta como crucial a confiança do aluno na sua capacidade, e a ajuda de um psicólogo pode ser importante para você neste sentido. Depois de ter se dedicado bastante aos estudos durante o ano. É preciso tirar a pressão de cima da prova. Se você estudou, você aprendeu e vai fazer um bom teste. É preciso ter essa confiança no trabalho feito. A prova vai validar o seu aprendizado. Vai documentar sua competência. Na hora do exame, não tem que ficar tentando adivinhar ou pensando no que os outros estão fazendo, é a hora de focar no seu desempenho e mostrar o que você sabe.

O branco na prova de redação.

Se deu branco na prova de redação, o grande segredo para resolver o problema é: fazer perguntas. É isso mesmo: questionar o tema é a melhor saída para não ficar empacado sem conseguir começar o texto. Se o tema não lhe trouxer nenhuma ideia, formule questionamentos que façam você refletir sobre os problemas que o tema aborda e assim você completa as lacunas provocadas pelo “branco”.

Aproveite os destaques da frase Tema. Por exemplo:
Os efeitos da implantação da Lei Seca no Brasil (Enem 2013)

Alguns questionamentos em relação ao tema:

– O que é a Lei Seca?
– O que essa lei seca procura resolver?
– A Lei Seca é uma ação de prevenção ou punição?
– Quando a Lei Seca foi implantada no Brasil?
– A implantação da Lei Seca apresentou problemas no Brasil?
– A Lei Seca, desde sua implantação, sofreu alterações?
– Como a população recebe essa iniciativa?
– Quais são os métodos de fiscalização dessa ação governamental?
– A Lei Seca resolveu problemas no trânsito brasileiro?
– Quais foram os efeitos após a implantação da Lei Seca?
– Os efeitos da implantação da Lei Seca são positivos ou negativos?

A partir das respostas a essas perguntas, você certamente vai conseguir definir a tese e compor o seu texto. Este é o ponto que você deve atacar. Quer que as ideias fluam na hora da prova de redação? Aprenda a definir a tese. Ela é o fio condutor de todo o texto. Aparece na introdução, é retomada no desenvolvimento e solucionada na conclusão. Olha só o grau de importância e de gravidade caso não se defina essa tese.

Tema: o tema está no começo da prova, onde diz: “… redija um texto dissertativo…” É o assunto da sua redação.

Tese: A tese é um ou mais problemas causados pelo tema, ou vinculadas a ele.

Argumentos: organize os argumentos. Pense todos os argumentos antes de começar a redação – Com base na tese, você deve fazer as seguintes perguntas: a quem ou a que tal ideia se refere? Por que aquela afirmação é verdadeira, ou seja, com base em que ela é verdade? Como aquilo ocorre?
Respondendo a perguntas, você vai conseguir progredir nas suas argumentações e desenvolver quantos parágrafos quiser. Se passar de trinta linhas selecione alguns parágrafos menos relevantes e os elimine da sua redação.

Solução: Este é o último parágrafo da redação. Faça as seguintes perguntas: Quem pode resolver? O que pode ser feito? Como pode ser feito? Quais os possíveis benefícios?
Nesta parte da redação você vai demonstrar que a tese que você está apresentando sobre o assunto (tema), é uma forma ideal de solucionar os problemas apresentados pelo tema.

POSSÍVEIS TEMAS PARA A REDAÇÃO

1 - O voto obrigatório
2 – Cyberbullying nas redes sociais
3 - Liberdade de expressão
4 - Altruísmo – Trabalho voluntário
5 - O Papel da democracia


Para saber mais sobre como tirar nota máxima na redação do Enem. Clique neste link.


LOGOTIPO DNEGOCIOS







Seleção de Livros! Clique e confira.





Lingerie Sale





SandroMoscol>





www.trivago.com.br